Número de gratuidades sobe 84% em Aracaju e encarece tarifa de ônibus

Passagem Premiada terá entrega dos prêmios do 3º sorteio nesta quarta, dia 17
16 de outubro de 2018
Passagem Premiada terá entrega dos prêmios do 4º sorteio dia 22
19 de novembro de 2018
Exibir Todos

Número de gratuidades sobe 84% em Aracaju e encarece tarifa de ônibus

diversos cartões falsificados espalhados

 

Cartões falsificados: Crime do uso irregular das gratuidades também onera o serviço

Um em cada cinco passageiros anda de graça atualmente no transporte público coletivo no Brasil. Em média 21,1% das pessoas que utilizam o serviço são beneficiados com isenções tarifárias, e esse custo de passagem livre incide no preço da tarifa para o usuário pagante. Ou seja, os outros 79% dos passageiros rateiam a conta dos 100% que usam o transporte coletivo, e isso tende a encarecer ainda mais a tarifa, principalmente diante da diminuição da demanda de usuários, que de 2014 para 2018 caiu 25,9% no país. Esse gargalo de menos pessoas pagando o custo de um serviço cujos insumos para sua operação só crescem, acaba pesando para os passageiros e para as empresas prestadoras que se limitam quanto aos investimentos para um transporte coletivo melhor.

Acompanhando a realidade nacional, em Aracaju, a perda média de passageiros pagantes foi de 24%. Foram 15,4 milhões de passageiros a menos usando o transporte comparando os anos de 2014 e 2018, entre janeiro e setembro. Em contrapartida, no mesmo período, na capital e na Região Metropolitana, o número de gratuidades no transporte subiu 84%, e foram entregues mais de 19,8 mil novos cartões gratuidade (novas concessões). Os dados citados aqui retratam uma estatística feita de acordo com o registro do cartão de gratuidade no leitor da bilhetagem eletrônica, mas o número de passageiros gratuitos seria ainda maior se estivessem inclusas as pessoas que fazem uso da gratuidade nos ônibus sem passar pela catraca.

O benefício da isenção total de tarifa em Aracaju atende pessoas com deficiência e respectivos acompanhantes, pessoas com mais de 65 anos, bombeiros, carteiros, agentes penitenciários, policiais civis e militares, oficiais de justiça, agentes da SMTT e da Guarda Municipal. E sem nenhum subsídio governamental para garantia das gratuidades (nem mesmo para estudantes como acontece em outras capitais), o passageiro pagante em Aracaju é quem fica com todo o ônus da parcela daqueles que têm o direito adquirido por lei ao uso da isenção da passagem.

Nesse ínterim, o transporte público coletivo se depara também com o crime do uso indevido da gratuidade por quem não tem o direito ao benefício. De janeiro a março deste ano, foram apreendidos 436 cartões falsos ou de terceiros. Em recente ocorrência, um passageiro apresentou no ônibus o cartão Mais Aracaju Especial, de sua filha, que tem deficiência visual e cognitiva, sem que a mesma estivesse com ele. No entanto, o cartão só conferia a isenção, e de forma restrita, à jovem e a um acompanhante em viagem conjunta com ela.  A evasão de receita no transporte é desde entradas pela porta traseira ou pulos da catraca, a situações de pessoas usando o benefício de outros ou portando cartões falsificados.

De acordo com estudos realizados pela Associação Nacional de Transporte Urbanos (NTU), o modelo tarifário brasileiro, centrado unicamente no passageiro pagante, limita o crescimento do setor e contribui diretamente para afastar o passageiro do ônibus. Com o custo de transporte das gratuidades sendo repassado diretamente aos demais usuários que pagam a tarifa integralmente, além do valor unitário do transporte, que já engloba impostos e taxas ao Poder Público, o cálculo da tarifa inclui ainda o custo das gratuidades. Para o presidente da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros de Sergipe e Alagoas, Alberto Almeida, “o financiamento das gratuidades com fontes exclusivas de custeio dos Governos Municipal, Estadual ou Federal, reduz o peso do custo do sistema sentido atualmente exclusivamente pelo passageiro pagante”.

“Pensar no custeio das gratuidades é dar garantia social ao direto de ir e vir não só para aqueles que têm o benefício da isenção, mas a todo cidadão. Além de ser uma das formas de se valorizar o transporte coletivo e, portanto, na mobilidade urbana”, enfatizou o presidente da Fetralse.

Da Ascom Setransp