Passageiros se sentem lesados pelo uso irregular de gratuidades

Confira o calendário cadastramento e recadastramento 2017.2
27 de junho de 2017
Posto do Terminal D.I.A entra em manutenção
10 de julho de 2017
Exibir Todos

Passageiros se sentem lesados pelo uso irregular de gratuidades

Quando se fala em gratuidade do transporte coletivo com os passageiros pagantes o tema se divide entre a celebração do benefício àqueles que precisam e o abuso com o uso irregular. Na capital sergipana e na região metropolitana, o direito é assegurado para pessoas com deficiência, idosos a partir de 65 anos, oficiais de Justiça, bombeiros, policiais civis e militares, guardas municipais, carteiros, agentes penitenciários e funcionários das empresas de transporte de passageiros. Como toda gratuidade incide no custo da tarifa de ônibus – isto é, aqueles que pagam a passagem inteira custeiam toda meia passagem e gratuidade – os usuários de ônibus contestam duramente aqueles não têm o direito, mas burlam a lei para fazer uso.

Para a comerciante, Ticiane Paiva Lima, a situação não é agradável. Ela explica que entende o direito de algumas pessoas e também que há deveres para outras. “O meu direito e dever é pagar minhas passagens e usar o transporte. Não devo prejudicar o próximo. Todos os passageiros têm seus próprios direitos e devem ser respeitados. Vender carteira de passe livre, doar para outros é uma ação irresponsável. Se a gratuidade assegurada por lei já é paga por outros que pagam, ainda ter que pagar para quem não tem direito, é demais”, desabafa a comerciante.

 Quem paga?

Podemos entender melhor na explicação da Associação nacional das Empresas de Transportes Urbanos – NTU: “quem paga pela gratuidade é o usuário pagante, ou seja, o custo para manter o transporte público é dividido apenas pelos passageiros que pagam passagem. Quanto mais pagantes usando os ônibus o preço da passagem, pode ficar mais baixo e quanto mais usuários beneficiados pela gratuidade usando o transporte público, mais cara a passagem pode ficar. O poder público criou leis para garantir a gratuidade, mas não colabora com as despesas o que acaba acarretando o orçamento de quem paga, geralmente são usuários das classes C e D”.

Sem subsídios ou fonte de custeio para as gratuidades, a conta pelo benefício vai parar diretamente no bolso do passageiro, pagante ou não. O resultado disso é uma passagem de ônibus pelo menos 15% mais cara e uma frota de veículos que muitas vezes não atende as exigências da sociedade. Para que a gratuidade não refletisse no bolso do passageiro pagante, se faz necessário repensar em estratégias para que a gratuidade faça parte do orçamento público e que haja uma fonte de custeio estabelecida na lei que a criou, para que não saia caro para o usuário pagante. Porque por trás de toda gratuidade há uma grande injustiça social.

Em Aracaju existem casos de pessoas que utilizam cartões de terceiros, outros que falsificam os cartões, e ainda há os que vendem ou alugam seus cartões. Esse cenário causa um transtorno ao usuário que paga devidamente suas passagens e se vê obrigado a pagar por outros. A passageira Juliane Alves Santos diz que se sente indignada com a situação de ter de pagar pelos outros, e pede punição para pessoas que vendem, dão ou fazem uso abusivo do passe livre. “Me sinto lesada. É um absurdo”, desabafa a dona de casa.

Assim como ela, o ambulante João Cleber Santos, que vende amendoim nos terminais, se sente injustiçado. Ele diz que trabalha duro e paga suas passagens todos os dias para se locomover. “Chamo a isso de falta de respeito, injustiça, sim. Já pago minhas passagens e ainda ter de que responder pela irresponsabilidade dos outros, é absurdo. Gratuidade tem uma lei e pessoas específicas, não pode ser usada por quem não precisa dela”, reclama o trabalhador, apelando pela consciência das pessoas.

O operador de guincho, Luiz Carlos Menezes, foi mais duro. Para ele quem age usando gratuidade sem direito é criminoso e deve ser punido dentro da lei. “O que é certo tem ser feito. Se a gratuidade para quem está dentro da lei já é paga por outros, que pagam passagem, imagine pagar para quem não tem nenhum direito legal. Isso é abuso demais. Essa pessoa merece mesmo é cadeia”, dispara o usuário pagante bastante irritado. Juarez Cardoso tem um diferencial. Ele é portador legal de carteira de gratuidade. Consciente do problema, afirma que não pode haver tolerância com pessoas que comercializam os passes livres, abusam de outras pessoas que pagam e agem como foras da lei. “São marginais. É o que penso sobre quem usa passe livre indevidamente”, observa o usuário.

 

Ascom Setransp