Bilhetagem eletrônica completa 12 anos no transporte de Aracaju e da região metropolitana

Impacto da queda de passageiros e gratuidades na tarifa de ônibus é destaque em seminário da NTU
23 de agosto de 2019
Mais de 10 mil estudantes já concluíram o processo de cadastramento e recadastramento
3 de setembro de 2019
Exibir Todos

Bilhetagem eletrônica completa 12 anos no transporte de Aracaju e da região metropolitana

O bilhete eletrônico substituiu o dinheiro, os passes escolares e os vales-transportes de papel

O sistema da bilhetagem eletrônica utilizada para pagamento de passagens de ônibus foi implantado em 2007 pelas empresas de transporte coletivo e durante 12 anos tem se mostrado uma tecnologia rápida e segura. Nos últimos anos, a nova tecnologia interferiu positivamente na rotina de motoristas, cobradores e usuários, à medida que reduziu as filas no embarque e a prática de assaltos dentro dos veículos.

A analista de Marketing, Mábia Helena, recorda o processo de substituição dos tickets de papel pelos bilhetes eletrônicos. “Na época dos passes escolares de papel, a gente enfrentava longas filas nos ônibus e durante a compra também. Mas os cartões facilitaram o embarque pela catraca, não precisando as pessoas aguardarem mais o troco, além de tornar o sistema mais ágil e mais cômodo a todos os passageiros”, lembra a analista.

Atualmente, na capital e das demais três cidades metropolitanas, mais de 70% das passagens são eletrônicas. Com a comodidade dos cartões Mais Aracaju, os usuários têm mais mobilidade no ônibus e a possibilidade de fazer um melhor planejamento do seu consumo mensal de passagens.

O cartão Mais Aracaju ainda garante o resgate de créditos em caso de perda ou roubo. E se o passageiro tem o benefício da gratuidade também pode utilizar o cartão eletrônico, passar pela catraca e fazer uso de todo o interior do ônibus com mais cidadania. Por tudo isso, a bilhetagem eletrônica é considerada um marco da modernização no transporte público coletivo.